Propip realiza mais uma edição do Encontro de Pós-Graduação e Grupo de Pesquisa

Aconteceu, na última sexta-feira (10), no auditório central do campus Petrolina do IF Sertão-PE, o V Encontro de Pós-Graduação e Grupo de Pesquisa. Realizado pela Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação (Propip), o evento reuniu alunos, professores, servidores técnico-administrativos e comunidade em geral. 

 

O evento contou com a presença do pró-reitor de desenvolvimento institucional, Alexandre Correa - que representou a reitoria, Leopoldina Veras -,  da pró-reitora de Ensino, Socorro Tavares, da pró-reitora de pesquisa , Luciana Cavalcanti, além de coordenadores e gestores. 

Com o tema “Pós-graduação em EAD: vantagens e desafios”, os professores Hommel Almeida (IF Sertão-PE) e Hesler Caffé (Univasf) abordaram temas como: conceito e história da educação à distância, perfil social dos alunos e os principais desafios dessa modalidade de ensino. 

De acordo com a professora Luciana Cavalcanti, pró-reitora de Pesquisa, Inovação e Pós-graduação, o objetivo é que a instituição consiga “atingir melhores índices de produção científica, aumentando a possibilidade de envolvimento dos pesquisadores em programas de pós-graduação e, inclusive, favorecendo o surgimento de novos cursos de pós-graduação stricto sensu na instituição”. 

“É uma política que precisamos aperfeiçoar, porque fazer pesquisa não é fácil. Importante lembrar que têm que ser aplicadas, e não engavetadas. Compreendê-las como ferramentas qualificadoras, impulsionadoras do desenvolvimento profissional e pessoal dos que a realizam bem como da sociedade”, refletiu o diretor geral do campus Petrolina, Fabiano Marinho.

Outra palestra foi “Pós-graduação: oportunidades, desafios e visão de futuro”, ministrada pelo professor da Univasf, Herlinando Pequeno de Oliveira., que refletiu sobre a história e panorama atual da pesquisa no Brasil. 

 “É precisos tratar a pesquisa como elemento motivacional, capaz de melhorar a qualidade de vida  daqueles que a fazem. Precisamos comungar de um discurso único, capaz de fortalecer práticas e grupos de pesquisa”, afirmou a coordenadora da pós graduação “Tecnologias digitais aplicadas à educação” do IF Sertão-PE, Josilene Almeida Brito.

“Achei bastante interessante, pois  acompanhei o processo histórico da pesquisa no Brasil. Diante da atual conjuntura, é preciso darmos as mão e lutarmos para que conquistas alcançadas não sejam perdidas”, afirmou Fernando Gomes, ex aluno do curso de Licenciatura em Química do IF Sertão-PE e, hoje, doutor em Biotecnologia.